Calendário de vacinação do bebê: como proteger seu filho dos 0 aos 15 meses

 

Vacinar também é um ato de carinho e precisa ter início desde cedo. Geralmente, a imunização começa logo após o nascimento, sendo superimportante para proteger de doenças, por exemplo, já erradicadas no Brasil. Infelizmente, a cobertura vacinal ainda está baixa, em 65,5%, quando o recomendado pelo Ministério da Saúde é de 95%.

Mas, felizmente, é possível reverter essa situação. No Brasil, as vacinas recomendadas durante esta faixa etária são disponibilizadas de maneira gratuita pelo Ministério. Por isso, é essencial ficar de olho na caderneta de vacinação do seu filho e checar quais imunizantes ele ainda precisa tomar. Para te ajudar nessa missão, conversamos com a pediatra Dra. Melissa Palmieri, coordenadora médica de vacinas do Grupo Pardini, filha de Antônio e Maria.

Para a médica, a vacinação é fundamental, pois traz mais qualidade de vida, além de proteger contra doenças graves. “É essencial vacinar os bebês porque eles fazem parte de um grupo extremamente vulnerável a doenças infecciosas, que podem levá-los a uma internação, dependendo da gravidade dessas doenças, ou, infelizmente, à morte. Então, a oferta da vacinação nos primeiros meses de vida torna-se ferramenta essencial para trazer saúde e qualidade de vida durante o desenvolvimento do bebê”.

Quais vacinas o bebê precisa tomar assim que nasce?

Segundo especialista, todas as vacinas do calendário infantil são essenciais, mas são nos primeiros 12 meses de vida que o sistema imune será fortalecido. “Basicamente são vacinas contra doenças transmitidas por vias respiratórias ou transmissão gastrointestinal. Como alguns exemplos importantes, existem: as vacinas pneumocócicas, as vacinas meningocócicas, a vacinação para rotavírus, a vacinação para doenças como sarampo, caxumba e rubéola, e também para doenças de transmissão através de picadas de insetos contaminados, como a febre amarela”.

Logo após o nascimento, Melissa Palmieri explica que existem duas vacinas indispensáveis neste período: a primeira delas é a BCG, que previne as formas mais graves da tuberculose, por exemplo, e também a de Hepatite B. Mas, é superimportante lembrar que as consultas com o pediatra são indispensáveis!

O bebê pode ter alguma reação depois de tomar as vacinas?

Pode, mas geralmente as reações passam em até 48 horas. A médica comenta ainda que o problema acontece no local da picada, mas pode também apresentar reações sistêmicas, como irritabilidade, choro e apatia – no sentido de perda de apetite. Além disso, caso a criança apresente alguma situação mais grave, os pais devem ficar de olho.

“Os pais devem ficar preocupados caso a febre se mantenha por mais de 48, 72 horas, ou se o estado geral da criança ficar muito rebaixado, porque eventualmente, pode ter uma relação temporal de uma infecção real junto com a data da vacinação. Aí os pais devem levar a um pediatra para que a criança seja avaliada”, explica Melissa.

Tomar vacinas fora da idade recomendada pode trazer algum problema?

Se existirem atrasos na vacinação do bebê ou criança, o primeiro passo deve ser corrigir a situação. “Se, como estamos vendo durante a pandemia, muitas vacinas estiverem atrasadas, o pediatra pode sugerir realizar a vacinação com o intervalo mínimo entre as vacinas, para que esse atraso seja corrigido. Por isso, a importância de passar em um pediatra para que seja realizada a melhor recomendação para a atualização das vacinas da criança“, orienta a médica.

Como aliviar a dor do bebê na hora de tomar a vacina

Como dica, Melissa sugere o aleitamento materno, pois ajuda a deixar o bebê mais tranquilo. “Caso não seja possível, a mãe ou o responsável pode oferecer outras ferramentas para tirar a atenção do foco da picada, brincando com bonequinhos ou usando outros estímulos visuais e auditivos para que a criança desfoque do ato de vacinação e reduza a dor”.

Vacinas que o bebê deve tomar

De acordo com o calendário de vacinação 2020/2021 atualizado, a imunização começa logo após nascimento. Mas, vale reforçar que esse processo deve estar alinhado com o pediatra do seu filho! Veja abaixo as vacinas que não podem ficar de fora nesta faixa etária:

Após o nascimento

  • Vacina de Hepatite B – protege da doença causado pelo vírus HBV, que afeta o fígado
  • Vacina BCG – dose única e protege contra a tuberculose

Com 2 meses

  • Vacina de Hepatite B – 2ª dose
  • Vacina VIP – 1ª dose – protege contra poliomielite.
  • Vacina Hib – 1ª dose – atua na prevenção de infecções causada pela bactéria Haemophilus influenzae
  • Vacina tríplice bacteriana (dTpa) – 1ª dose – protege contra difteria, tétano e coqueluche
  • Vacina contra o rotavírus – previne contra infecções causadas pelo vírus; a segunda dose precisa ser dada até os 7 meses de vida do bebê
  • Vacina Pneumocócica 10V: 1ª dose – atua na prevenção de doenças como meningitepneumoniaotite

Com 3 meses

  • Vacina Meningocócica B – 1ª dose – atua no sorogrupo B da doença
  • Vacina Meningocócica C – 1ª dose – previne contra o sorogrupo C da doença

Com 4 meses

  • Vacina tríplice bacteriana (dTpa) – 2ª dose
  • Vacina VIP: 2ª dose
  • Vacina Hib: 2ª dose

Com 5 meses

  • Vacina Meningocócica B – 2ª dose
  • Vacina Meningocócica C – 2ª dose

Com 6 meses

  • Vacina VIP – 3ª dose
  • Vacina tríplice bacteriana (dTpa) – 3ª dose
  • Vacina Hib – 3ª dose
  • Vacina da Hepatite B – 3ª dose (é recomendada e precisa ser avaliada com o pediatra)

Vale lembrar também que é a partir dos seis meses de idade que se dá início a vacinação contra a Influenza, imunização responsável pela gripe, e que deve ser feita anualmente durante campanhas.

Com 9 meses

  • Vacina contra febre amarela – 1ª dose

Com 12 meses

  • Vacina Pneumocócica – reforço que protege contra meningite, otite e pneumonia
  • Vacina Tríplice Viral – 1ª dose – atua contra o sarampo, rubéola e caxumba
  • Vacina Meningocócica C – reforço que pode acontecer dos 12 aos 15 meses
  • Vacina Meningocócica B – reforço que pode acontecer dos 12 aos 15 meses
  • Vacina Hepatite A – 1ª dose
  • Vacina contra catapora – 1ª dose

Com 15 meses

  • Vacina VIP – reforço que pode acontecer entre os 15 e 18 meses
  • Vacina Tríplice Vital – 2ª dose, que pode acontecer dos 15 aos 24 meses do bebê
  • Vacina Pentavalente – 4ª dose da VIP
  • Vacina contra a catapora –  2ª dose – pode ser dada dos 15 aos 24 meses
  • Vacina tríplice bacteriana (DTP) – reforço – protege contra difteria, tétano e coqueluche

 

Fonte: Pais e Filhos 

Leia também: Vômito após a vacina: o que fazer?Vacinação até os 2 anosVacinas para gestantes 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>