Fonoaudióloga defende teste da linguinha

Apesar de obrigatório desde 2014, exame ainda levanta polêmicas entre profissionais da saúde

O Teste da Linguinha se tornou obrigatório em hospitais e maternidades desde 2014, por meio da Lei nº 13.002/2014, sendo um procedimento utilizado para a detecção da anquiloglossia, alteração no tecido que se estende da língua até a cavidade inferior da boca. Porém, na última semana, a Sociedade Brasileira de Pediatria solicitou ao Ministério da Saúde a anulação da lei. A fonoaudióloga especialista em linguagem e desenvolvimento infantil, Raquel Luzardo, discorda do pedido e explica por que o exame é tão fundamental nos bebês.


Raquel explica que o método avalia alterações no frênulo – pequena membrana localizada embaixo da língua que a conecta com o assoalho da boca. “Nós seguimos um protocolo completo, capaz de detectar problemas como a língua presa que pode gerar não só alterações na fala, mas também o esforço demasiado na hora de mamar, gerando desmame precoce e baixo ganho de peso”.

A profissional, que carrega na bagagem mais de 19 anos de experiência, explica que o procedimento é indolor. “Apesar de ser um protocolo completo, é simples e consiste em examinar com os dedos o movimento da língua e a posição do frênulo”, explica.

De acordo com a fonoaudióloga, há outros sinais que os bebês dão quando apresentam o problema. “Há aqueles que mordem o bico do seio da mãe ao mamar, ou não conseguem colocar a língua para fora ou mesmo quando a colocam, ela tem um formato de coração”, a especialista ainda explica que há mães que acreditam que o desmame precoce acontece porque o leite delas está fraco, quando na verdade o bebê não está conseguindo mamar corretamente.

A profissional também ressalta que, assim como a maior parte de problemas relacionados à saúde, o diagnóstico precoce evita complicações e facilita o tratamento efetivo.

Fonte: Raquel Luzardo – Clínica FONOterapia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>