Cólicas fortes e dor durante a relação sexual podem ser sintomas de endometriose

A Doença que atinge de 10% a 15% das mulheres de todo o mundo e que pode dificultar a gestação.

Fevereiro/2008 – O útero é coberto internamente por um tecido chamado endométrio que cresce a cada mês sendo eliminado durante a menstruação. A formação de cistos e nódulos desta camada, fora do local correto, recebe o nome de endometriose. Estes focos aparecem com maior freqüência nos ovários, no peritônio (tecido que reveste a cavidade do abdome e da pelve), nos ligamentos que sustentam o útero e em outras áreas do abdome.

A síndrome pode ser classificada como leve, mínima, moderada e severa, conforme a extensão e o tamanho das lesões. Segundo o médico especialista em reprodução humana Arnaldo Schizzi Cambiaghi, esta doença pode afetar mulheres na idade fértil. A dor nem sempre esta relacionada à intensidade do problema, porém é um dos principais sintomas. Dores fortes na época da menstruação, no útero, na bexiga e/ou no intestino são sinais que devem ser investigados, além das dores durante o ato sexual, explica o doutor.

Muitas mulheres têm endometriose e não sentem nada. Apenas descobrem quando começam a investigar as causas da esterilidade. Estima-se que de 10% a 15% das pacientes sofram deste mal, um dado que pode ser ainda maior já que a melhor forma de identificá-lo é através da videolaroscopia – introdução de mini-câmera por um corte próximo ao umbigo, que permite achar os implantes e retirar amostras para análise, esclarece Cambiaghi.

O tratamento indicado para os casos moderados e severos é a cirurgia. Nas formas brandas pode-se ministrar analgésicos, antiinflamatórios e anticoncepcionais. Perto de 40% das portadoras desta síndrome ficam inférteis principalmente por obstrução das trompas e comprometimento dos ovários. Por isso a importância da terapêutica, o que não significa que nunca poderão engravidar, pois uma grande parte realiza este sonho após a intervenção, diz o especialista.

A endometriose tem cura?

Esta é uma pergunta que as pacientes fazem com freqüência, e talvez o maior motivo desta dúvida seja o número grande de mulheres que realizam tratamentos e cirurgias repetidas para este problema. É impossível afirmar que uma intervenção cirúrgica será definitiva para acabar com a doença, mas o que temos observado é que muitas pacientes fazem tratamentos cirúrgicos insuficientes para extingui-la definitivamente. Talvez, muitas das intervenções sejam incompletas devido ao alto grau de complexidade e riscos de complicações. Por isso, alguns cirurgiões preocupados com estes riscos limitam o grau de invasão do procedimento e acabam não retirando a totalidade da doença dos órgãos afetados. As cirurgias mais modernas envolvem detalhes de conhecimento anatômico importante e têm conseguido um alto índice de cura definitiva e a restauração da fertilidade, finaliza Cambiaghi.

Sobre o Dr. Arnaldo Schizzi Cambiaghi
Apesar de dedicar a maior parte de seu tempo no conhecimento e tratamento da infertilidade, seu currículo demonstra a preocupação de acompanhar as mulheres em outras áreas da ginecologia e obstetrícia.

Autor de livros médicos direcionados ás mulheres e aos médicos, na área de Reprodução Humana vem aprimorando técnicas de Reprodução Humana que envolve novos exames para o diagnóstico e tratamento da infertilidade como Inseminação Artificial, Fertilização In Vitro e ICSI entre outros.
Arnaldo Cambiaghi é ginecologista obstetra especialista em Reprodução Humana e Cirurgia Endoscópica, Diretor clínico do IPGO (Instituto Paulista de Ginecologia, Obstetrícia e Medicina Reprodutiva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>